Saturday, April 29, 2017

Lembra-se da Gata Tama, chefe de estação de Kishy ?






Tama, chefe de estação de Kishy
Kinokawa, Japão.


Pois é. Nós até já tinhamos feito aqui uma homenagem à Gata Tama, quando ela morreu em 22 Junho 2015.

Hoje é a vez do motor de busca Google celebrar com um Doodle o 18º aniversário de Tama. Imaginem! Pois ela merece, já que salvou os funcionários do desemprego e ajudou a economia da região com a enorme afluência de turistas.




Google Doodle 18º aniversário de Tama


O doodle deste sábado, dia 29 de Abril 2017, assinala o 18º aniversário do nascimento da gata Tama. Tama, como se lembram era a chefe da estação Kishi em Kinokawa, no Japão. 

Sim, isso mesmo, uma gata chefe de estação e directora de operações de uma estação ferroviária! 

Felizmente, a Tama servia mais como uma celebridade da estação e não chegava a dar ordens executivas nem tomava decisões. 

Tama, a gata nasceu no dia 29 de Abril de 1999 e morreu em 22 de Junho de 2015.




Homenagens a Tama, 2015
créditos: Chika Oshima/AP

Durante muitos anos, a estação ferroviária em Kinokawa teve muito pouco movimento de passageiros, fazendo com que os funcionários quase a fechassem em 2004. 

Até que em 2007, os japoneses tiveram a ideia de nomear a gata Tama que o chefe de estação Koyama adoptara entre outros gatos de rua, e passara a aimentá-los na estação.

O trabalho de Tama na estação era cumprimentar os passageiros. Tama, a nova celebridade local, atraiu multidões de viajantes para vê-la no seu escritório.




Tama no seu escritório, estação de Kishi

Por vezes, Tama usava um chapéu de chefe da estação ajustado à sua cabecita de gato e ficava sentada em cima da passagem dos viajantes, como que verficar os bilhetesem. Em vez de um salário, a ferrovia dava comida e hospedagem à gatinha.

O sucesso foi tal que em 2008 Tama foi promovida a chefe de estação super, e, com o novo cargo, ganhou um escritório com uma caixa de areia.

A decisão bizarra mas original dos funcionários acabou por salvar a estação do encerramento e ainda contribuiu muit0 para desenvolver a economia local.

Quandi morreu em 2015, mais de 3 mil pessoas foram ao funeral da gatinha querida por todos e que continua a ser celebrada pelos japoneses. 

É que não é todos os dias que um animal tem um cargo tão importante como ser chefe de estação!





Nitama, ou Tama II na estsção Kishi
créditos: autor não identificado
http://en.rocketnews24.com/

Depois de Tama ter morrido, um novo gatinho chamado Nitama  "Tama o segundo" mantém a estação popular e os passageiros sempre a pedir para tirar selfies com o gatinho.






Today’s Doodle celebrates little Tama, the beloved stationmaster of Kishi Station in Kinokawa, Wakayama, Japan.

For many years, the train station was lightly traveled, causing officials to close it in 2004. 




Tama. the cat
credits: AFP/ Getty Images

But in 2007, the railway appointed Tama the calico cat to be the stationmaster. 

The new local celebrity drew crowds of travelers to see her in her office, where she sometimes wore an official cat-sized cap. 

Not only did Tama draw tourists to her new cat-themed cafe and gift shop (even the station itself got a cat-themed makeover!), but her celebrity also kept the train service open for local residents.



Japanese honore Tama the cat
Kishy station
créditos: Chika Oshima/AP

Though Tama passed away in 2015, a new kitty called Nitama (or “Tama the second”) keeps the trains running and poses for selfies with passengers.  






Tama was born in the city of Kinokawa, and raised with a group of strays who lived near the station who were often fed by passengers, as well as by Toshiko Koyama, the informal station manager at the time. 

Koyama later adopted Tama, and when he was named official station master, he brought her into the organization with him.

Happy birthday Tama, the world’s first feline stationmaster! 


Geração 'green'

29.04.2017

Creative Commons License



Saturday, April 15, 2017

MUNHAC : Exposição Reis da Europa Selvagem, nossos últimos carnívoros






Exposição Reis da Europa Selvagem
MUNHAC

A exposição está patente desde o dia 2 de Março 2017 e pretende dar a conhecer quatro grandes carnívoros europeus: o urso, o glutão, o lince e o lobo
De realçar o lince Ibérico, o felino mais ameaçado do mundo, e o lobo Ibérico cujas populações estão em perigo de extinção.


Lobo Ibérico
créditos: © Taiga nature & photo

Os carnívoros europeus são retratados nos seus habitats naturais, com o ambiente, alguma fauna e vegetação reproduzidos em detalhes realistas. 

Há vídeos e imagens projectadas e até um módulo de realidade aumentada, onde se pode "tocar" num urso. 

Há também dois modelos tridimensionais a representar os 'habitats' do lobo e do lince ibéricos, que existem em Portugal, mas que continuam em perigo.

A nova exposição Reis da Europa Selvagem inaugurada no Museu Nacional de História e da Ciência (MUHNAC), em Lisboa, desvenda a realidade de quatro grandes carnívoros do Velho Continente - o urso, o lince, o lobo e o glutão -, as ameaças que enfrentam e os esforços que estão a ser feitos para a sua conservação.

Ao longo de seis módulos, esta emblemática exposição permite contemplar exemplares naturalizados que estarão "imersos num cenário expositivo de imagens, sons e novas tecnologias que conduzem o público a uma viagem pelas áreas geográficas onde vivem estes animais e conhecer os seus habitats, biologia, organização social, hábitos alimentares, ameaças e projectos que promovem a sua conservação."





Lince--euro-asiático 
créditos: © H. Andrén

A exposição inicia-se com pegadas em painéis com os nomes científicos dos animais, não porque os carnívoros sejam assassinados e só possamos ver os seus rastos, mas porque as pegadas são uma forma de conhecer os seis protagonistas.

"Tudo está baseado nos mais recentes dados científicos sobre estas espécies", explica Cristiane Bastos-Silveira, curadora da colecção de mamíferos do MUHNAC e coorganizadora da exposição, com Francisco Petrucci-Fonseca, presidente do Grupo Lobo.

Tudo começou, aliás, por causa do lobo. No âmbito do projecto europeu Life Med-Wolf, o Grupo Lobo quis montar uma mostra para desfazer mitos e dar a conhecer ao grande público esta espécie ameaçada e mal compreendida. 

"Foi então que tivemos a ideia de alargar o âmbito da exposição e incluir outros três grandes carnívoros da Europa"

Cristiane Bastos-Silveira




Glutão/ Wolwerine
créditos: © A.Landa

Módulo a módulo, estas emblemáticas espécies vão-se revelando ao longo de três grandes salas do museu destinadas para esta exposição.

Para cada carnívoro há um BI com as principais características, o território que cada um ocupa na geografia europeia, número de animais que existem e os conflitos que se geram com as populações humanas.

Os lobos, por exemplo, são particularmente mal vistos por agricultores e pastores. 

Já os ursos e os glutões são mais vulneráveis à caça ilegal, enquanto os linces - o Europeu e o Ibérico, porque são duas espécies diferentes - estão sujeitos a envenenamentos intencionais e a atropelamentos. Há muitas estradas a cruzar os seus amplos territórios. 




Urso
créditos: © B.Kristiansson

Na exposição, há mapas com a distribuição das espécies nos vários países, fotografias e um espaço de reflexão com imagens “mais sensíveis”, como atropelamentos. 

No final da primeira sala, há painéis sobre as ameaças que estes carnívoros correm. E como podemos fazer alguma coisa? “Exercendo a cidadania”, diz Francisco Fonseca.

Factos, números e imagens mostram toda essa realidade, também através de vídeos que estão em exibição permanente.

Os esforços de conservação e os seus resultados, um módulo da realidade aumentada para entrar no mundo de um urso, e um cantinho infantil onde há livros com histórias e bonecos sobre as quatro espécies completam a mostra.

É na última parte da exposição que tudo se torna interactivo. Há pegadas coloridas no chão para seguir o rasto dos carnívoros. 




The wolverine, Gulo gulo is the largest land-dwelling species of the family Mustelidae (weasels)

Ah, falta o glutão: esse só vive na Escandinávia e é mais conhecido por wolverine. Os glutões que se assemelham a pequenos ursos-pardos com cauda, encontram-se nos países nórdicos, sendo o seu pelo cobiçado para o fabrico de casacos.

Mesmo à saída, para a qual se caminha seguindo rastos de pegadas de ursos e linces, glutões e lobos semeadas pelo chão, há uma colecção de provérbios europeus, e livros dedicados a estes animais que revelam o que eles são no imaginário colectivo europeu.

No final, é de observar as paredes. Têm nomes comuns das espécies em várias línguas e expressões populares que todos já ouvimos.

Algumas agora depreciativas, como “lobo em pele de cordeiro”. “Não queremos apagar estas histórias, mas queremos construir outras”, diz a curadora. 

Francisco Fonseca já ouviu histórias sobre uma boa coexistência entre lobos e humanos. Para os lados de Bragança, alguém lhe terá dito: “O lobo é o pastor do pastor. O lobo obriga o pastor a tomar cuidados e não deixa fugir o gado.” 

Quem quiser uma recordação vai poder tirar uma selfie num cenário virtual com os ursos da Cantábria, em Espanha. 

O cenário virtual irá mudar e serão incluídos outros animais naturalizados, tudo até Dezembro de 2019, ano em que terminará esta exposição.

Curiosidades:

Sabiam que o lobo é muito mais familiar do que imaginamos? Muitos de nós temos descendentes seus em nossas casas: os cães.
A domesticação decorreu ao longo de milhares de anos, culminando, após a selecção levada a cabo pelo Homem, nas mais de 350 raças caninas que hoje são reconhecidas. 
Talvez os lobos que deram origem a todos os nossos cães tenham sido adoptados como guardas; ou talvez tenham sido eles a adoptar os humanos, acompanhando-os em busca de alguns restos de comida. Certo é que um predador desde sempre temido e acossado acabou por dar origem ao nosso melhor amigo.  
Informações úteis:

Datas: 2 de Março 2017 a 31 Dezembro 2019.

Preços: Bilhete de família, 12,5€. 
Não vimos informações para visitas de escolas.




Kings of Wild Europe - our last large carnivores


This exhibition intends to give insight on the four European carnivores - bear, wolverine, lynx and wolf



Kings of Wild Europe - our last large carnivores
credits: © iStockphoto

It focuses on the Iberian lynx - the most threatened feline in the world and the Iberian wolf whose populations are highly threatened. 

If you teach in Lisbon or in Portugal you have may want organize a visit with your students.

If you are visiting Lisbon with your children, don't miss this exhibition at the Museum of Natural History and Science.

Information:

Dates: since 2 March 2017 until 31 December 2019.

Price: Ticket family 12,5€. 


Geração 'green' 

15.04.2017

Creative Commons License