Monday, December 17, 2012

Pausa Natal




Snow leopard Pakistan
photo: unknown



photo: Raigo Pajula/AFP/Getty Images



photo: James Devaneyware




photo: peupleloup, flickr


photo : unknown



photo: Sergey Gorshkov (Russia)


As férias de Natal chegaram. E assim Geraçao 'green' fará uma pausa. Tal como em anos anteriores, dedicamos este post aos nossos melhores amigos, os animais.

O frio, a neve, aí estão um pouco por todo o mundo! Também a Europa atravessa mais um rigoroso inverno.

Nem sempre a beleza das imagens destes animais nos deve fazer esquecer as dificuldade que se abatem sobre algumas espécies com menos resistência às baixas temperaturas.

It's Christmas holiday! So our blog will stop for some days. We will be back in two weeks.

Heavy snow that fells in Europe and other continents. The pictures are beautiful but we must think about the potential devastating effect on the local animals and ecological systems.



Boas Festas para todos os nossos leitores seguidores e visitantes! Protejam, os animais! E cuidem o Ambiente!

Happy Festive season for all our readers, followers and visitors! Protect the animals! And take care of the Environment!


Geração 'Green'
16.12.2012


Nota: Algumas fotografias não têm autor identificado e foram retiradas da página Wild for Wildlife and Nature


Note: Some photos don't have photographer's name and are published on the timeline of Wild Wildlife and Nature.


Creative Commons License


Friday, December 07, 2012

Associação Burricadas Portugal




Muriel Bernardou

Depois da campanha para salvar o Lobo Ibérico, eis que surge a campanha para salvar o burro, um animal que sempre apoiou o homem nas suas lides agrícolas e que sa sabe agora oferecer qualidades terapêuticas para crianças com deficiência.

Mas vejamos como isto começa. A Associação Burricadas e a Reserva de Burros uniram-se nos esforços para a criação de um novo programa de conservação para proteger o  burro, mais uma espécie ameaçada em Portugal. 

Ao mesmo tempo, como já referimos, esta campanha ajuda em simultâneo pessoas que beneficiam da interacção com os burros por razões educacionais e de saúde.


É necessária a construção de novas instalações para abrigar mais animais e para iniciar um Programa de Asinoterapia dirigido a pessoas portadoras de deficiência.

Com esta campanha pretende-se construir instalações no novo Parque dos Burros que irão abrigar 40 animais desta espécie, contribuindo para a sua conservação e,  reunir condições que permitam concretizar um projecto de utilização do burro como animal terapêutico.

Ao dar utilidade a estes animais, contribuir-se-à para a preservação da espécie. As actividades do programa Asinoterapia beneficiarão pessoas com diversos tipos de perturbação, desde o indivíduo que se encontra com desordens a nível emocional, em estado de depressão ou ansiedade, até ao portador com deficiência profunda.


http://www.burricadas.org/


Associação Burricadas para a Preservação do Burro é uma associação sem fins lucrativos, criada em Março de 2007, com o objectivo de divulgar e preservar o burro em Portugal.

Abrigo do Jumento foi criado pela Burricadas para acolher burros velhos, abandonados e/ou maltratados, funcionando como um refúgio onde os animais recebem todos os cuidados necessários ao seu bem-estar.




Em 1940 havia cerca de 270 mil burros em Portugal e no final dos anos 90 apenas 40 mil animais. Actualmente no nosso país, o total de animais não chega aos 10 mil e continua em progressivo decréscimo.

Este projecto vai criar condições para realizar sessões de terapia com diversos tipos de público, em particular com pessoas portadoras de deficiência física ou mental, incluindo crianças e idosos. 

Síndroma de Down, autismo, paralisia cerebral, hiperactividade, distrofias musculares, dificuldades na aprendizagem e na fala, atraso no desenvolvimento neuro psicomotor, doença de Alzheimer e desordens emocionais são algumas das patologias a que se destinam estas técnicas terapêuticas que actuam a nível físico, emocional e mental.

Projecto com desenvolvimento sustentável que se preocupa com a preservação de uma espécie ameaçada, com o bem-estar animal e com a vida das pessoas.

Irá também contribuir para a investigação e conhecimento sobre os benefícios da Asinoterapia, quer para a pessoa quer para o animal, através de protocolos estabelecidos com Instituições de Apoio ao Deficiente e com Universidades.

Permite assim iniciar um trabalho inovador em Portugal que se tem revelado de grande sucesso em outros países como Espanha, Inglaterra, França.



Escolas:

Uma escola ou uma turma poderá apadrinhar um burro visitando a página "Burros para apadrinhar" e escolhendo o animal que pretende apoiar aqui
Para tal, terá que fazer o pedido por email ou via telefone. Acredite que há vários animais à sua escolha.

Poderia ser um excepcional projecto de turma, numa actividade transcurricular. Se é professor, pense nisso. Se é aluno, divulgue junto de seus colegas de turma e exponham o vosso projecto aos vossos professores.

Ensino Especial: se a escola estiver situada perto do Grupo Burricada, poderá ser uma terapia recorrente em muitos casos de alunos portadores de deficiência.





O burro foi um dos animais mais utilizados pelo homem e de maior difusão em todo o mundo. 

A sua domesticação remonta aos tempos em que se iniciou a agricultura, sendo essencial na evolução dos seus processos através dos tempos. 

O uso deste animal ao serviço do homem já nos é relatado desde os tempos mais remotos, nas grandes movimentações populacionais, nas caravanas de mercadorias e outras migrações provocadas por guerras ou catástrofes naturais. 

Em Portugal a popularidade e proliferação do burro devem-se à sua natureza robusta e às características comportamentais deste animal.

Oriundo de regiões semidesérticas, é um mamífero de médio porte, de focinho e orelhas longas, adaptado às condições climatéricas mais inóspitas, solos pobres e relevo acidentado, dotado de grande resistência física e robustez, que o tornam capaz de suportar grandes cargas.

Infelizmente com a mecanização da agricultura e o desenvolvimento dos transportes, os burros perderam a sua utilidade, encontrando-se actualmente em vias de desaparecimento. 

Com a perda deste animal da nossa paisagem rural, fica também para trás toda uma história de cumplicidade e afectos que marcou gerações e deixou traços profundos na cultura e tradição portuguesa. 

Desconsiderado e relegado para segundo plano por comparação com outros animais domésticos, nunca foi devidamente valorizado e foi por isso muitas vezes esquecido no que diz respeito a medidas de protecção.



In 1940 there were around 270 thousand donkeys in Portugal and in the late ’90s only 40 thousand animals. Currently in our country, the total number of animals does not reach 10 thousand and continues to progressively decrease.

The Donkey has a docile and patient temperament, allowing a very satisfying and smoothly work with a variety of different audiences. Your contribution on this campaign will allow us to improve the levels of trust to many individuals with varying difficulties.



The Association Burricadas and the Donkeys' Reserve (Reserva de Burros) joined forces in creating a new conservation Program to protect donkeys, an endangered species in Portugal, while helping people in different and exciting ways.


We need your help in order to build new facilities to shelter more donkeys and start the new Donkey-Assisted Therapy Program that work with disabled people. See our Crowdfunding Campaign here 

Geração 'green'
07.12.2012
Creative Commons License

Referências | References:

Abrigo do Jumento
http://www.burricadas.org/

Donkey Shelter Portugal
http://www.burricadas.org/page15.htm

Save de Donkeys helping People
http://www.indiegogo.com/SaveDonkeys-HelpingPeople

Asinoterapia: utilização do burro como terapia
http://setepinceladas.wordpress.com/2010/10/04/asinoterapia-utiliza-o-burro-como-elemento-terapeutico/

Asinotherapy:  children and adults with complex special needs
http://lathamcenterspws.blogspot.pt/2011/07/latham-centers-asinotherapy-program.html

Sunday, November 18, 2012

Borboleta-azul: reserva em Portugal





Borboleta-azul | Portugal

Fotografia: autor não identificado

Sabem como gostamos de preservação das borboletas em Portugal. Lembram o nosso projecto Dia B Dias das Borboletas.

Dos vários textos de escrita criativa desenvolvidos como uma das actividades, o texto Que Cor Queremos para o Mundo da nossa colega Leonor é sem dúvida o mais visitado. Esperemos que não copiado... Trata-se precisamente de um texto sobre borboletas.


Por isso, aqui estamos de novo a falar de borboletas. Mas esta merece um destaque especial. Estamos a falar da borboleta-azul.




Borboleta-azul | Portugal

Fotografia: Público (sem autor identificado)


A borboleta-azul, uma borboleta rara no nosso país, é protegida a nível europeu,  e tem agora uma reserva em Portugal. 

A Quercus adquiriu um terreno de 3.500 metros quadrados, em Castro Daire, para preservar esta espécie que conta com a colaboração das formigas para sobreviver. 
A nova micro-reserva está situada na Serra de Montemuro, no norte do país, onde foi recentemente identificada uma população da espécie, rara em Portugal actualmente, sendo considerada uma espécie quase ameaçada de extinção.

Esta população da Serra de Montemuro, que está agora ser objecto de protecção, foi descoberta pelo Tagis – Centro de Conservação das Borboletas de Portugal, organização com a qual a Quercus tem um protocolo de cooperação.

Mas, no verão, entre Julho e Agosto, centenas de pequenas borboletas-azuis invadiram os lameiros do Alvão. Durante vários meses, as borboletas viveram debaixo da terra, em formigueiros, sob a forma de lagartas. Prontas para voar deixaram o seu esconderijo. 



Borboleta-azul | Portugal

Fotografia: Dinis Cortes


Portugal é o limite-sul da borboleta-azul - 'Phengaris alcon' anteriormente conhecida como 'Maculinea alcon', que se espalha pela Europa.

Até há pouco tempo, a distribuição populacional da rara e ameaçada borboleta-azul.

Em 2011, foi encontrada uma nova população na serra de Montemuro e a Quercus criou uma micro-reserva para a ajudar a sobreviver, como já referimos.

No Verão passado, os trabalhos de campo revelaram novas surpresas. 

"Durante os trabalhos de preservação dos lameiros e das turfeiras (no âmbito do projecto Life Higro) foram encontradas novas populações de borboleta-azul em Afonsim, no concelho de Vila Pouca de Aguiar, e na serra d'Arga"

Paulo Lucas, Grupo Quercus 
(responsável pela iniciativa)

Esta descoberta foi, na sua opinião, uma boa notícia. "O projecto, que começou em Setembro de 2010 e terminará em Dezembro de 2013, não é dirigido unicamente à borboleta-azul, mas pretende conservar e restaurar habitats prioritários, reconhecidos pela União Europeia, e que estão em perigo de desaparecer com o aumento das temperaturas", contou ainda. "Mas a borboleta-azul é extremamente importante. É um indicador fundamental da boa qualidade destes habitats", acrescentou.
A estratégia de sobrevivência da borboleta-azul é, talvez, a mais surpreendente de todas as 135 espécies de borboletas diurnas conhecidas em Portugal, segundo explica a Quercus em comunicado.

Os urzais-tojais e os cervunais, prioritários para a conservação da biodiversidade por parte da União Europeia, são os únicos habitats onde se encontra esta borboleta.

Em Portugal apenas são conhecidas populações da espécie no Parque Natural do Alvão e na Serra de Montemuro. 

New blue butterflies have been discovered in Portugal, an endangered specie of Portuguese butterfly at Montemuro mountain and Natural Park of Alvão, both in the north of Portugal.


Geração 'Green'

18.11.2012

Creative Commons License

Referências:

Descobertas novas populações da rara borboleta-azul

Borboleta-azul ganha reserva em Portugal

Sunday, November 04, 2012

Tempestade Sandy




Mel Evans/AP
http://www.csmonitor.com/

A maior tempestade provocada pelo furacão Sandy atingiu a Costa Leste dos EUA, derrubando a energia eléctrica e interrompendo o transporte em Nova York, Nova Jersey e arredores. 

Sandy foi a maior tempestade a atingir os Estados Unidos nas últimas gerações. Até à data, o número de mortes subiu para 82 pessoas, e deixando milhões de residências e negócios sem energia. 



A tempestade, que chegou a expandir-se por uma área de 1.600 quilómetros em determinado momento, perdeu força e dimensões, enquanto avançou para o norte, a caminho do Canadá.



New Jersey
REUTERS/Mark C. Olsen/U.S. Air Force
Milhões de pessoas ficaram sem energia e sem serviço de transporte público ao longo da povoada região costeira. 

Os efeitos da super tempestade Sandy estão loingie de encontrar resolução. Milhares de pessoas continuam sem luz ou aquecimento, após cinco dias. E a baixa de temperatura registada hoje vieram colocar mais pessoas em risco, numa região que já luta contra a escassez de gasolina, mas principalmente de alojamento.



foto: CSMonitor

O governador de Nova Iorque Andrew Cuomo disse que a queda das temperaturas deixará milhares de pessoas sem lugar para viver, já que as suas casas foram destruidas pelo Sandy.

Dados últimos confirmam que a tempestade matou mais de 100 pessoas em 10 estados norte-americanos, incluindo 41 em Nova York. 

Mais de 2,2 milhões de pessoas em vários estados continuam sem energia após a passagem de Sandy  pelos Estados Unidos

 Mantoloking, New Jerseyphoto: Julio Cortez/AP
Hurricane Sandy arrived in this coastal resort town with the roar that was expected on Monday October 29th, as towering waves snapped a fishing pier, rain and seawater inundated city streets and officials shut down both major bridges that normally carry thousands of visitors to beaches and hotels in the summer months. Read more here





The lights were back on Saturday, November 3 in lower Manhattan, prompting screams of sweet relief from residents who had been plunged into darkness for nearly five days by Superstorm Sandy. But that joy contrasted with deepening resentment in the city's outer boroughs and suburbs over a continued lack of power and maddening gas shortages.
Adding to the misery of those without power, heat or gasoline were dipping temperatures. Mayor Michael Bloomberg urged older residents without heat to move to shelters and said 25,000 blankets were being distributed across the city.  Read more here

photo: Adrees Latif | Reuters
Há anos que nos empenhamos nos problemas ambientais, este blogue é fruto das nossas preocupações! Vimos desde 2005 a alertar para as alterações climáticas em posts como Clima: Será que Mundo quer mudar?, Inundações percorrem a Europa, A culpa será só das alterações climáticas? entre outros.
É pois com mágoa que vemos milhares de pessoas serem vítimas da cegueira de más políticas que, em lugar de preservarem o ambiente, de proteger pessoas e animais, só têm vindo a piorar as condições de vida. 
How sad it is to see the people without their homes! We hope that climate politics change in order to protect the environment and the humanity.
Geração 'green'
04.11.2012
Creative Commons License

Saturday, October 20, 2012

e-Atlas: áreas conservação das aves marinhas



e-Atlas Marine Species
Foi lançado o Atlas online, que engloba 3000 áreas Importantes para as Aves (IBA – Important Bird Areas).
Reúne informação importante, não só para a prática de conservação e/ou para os legisladores, com também para planeamento de projectos energéticos – parques eólicos, ou exploração de gás e petróleo -, gestão das pescas, planeamento da gestão da poluição marinha e para a indústria dos seguros, avança a BirdLife no seu sítio web.

BirdLife | Data zone
"As IBAs são áreas essenciais para a conservação das aves marinhas, que constituem o grupo de aves mais ameaçado e cuja protecção apresenta grandes dificuldades pelo facto das espécies em causa cobrirem distâncias muito grandes, passarem longos períodos no mar e serem afectadas por inúmeros factores. Mas as IBAs também beneficiam inúmeras espécies de grupos que não o das aves e os habitats a que estão associadas."
Devido à larga abrangência das IBAs, o e-Atlas contribuirá para a conservação do meio marinho e portanto, para o cumprimento do objectivo de proteger 10% das áreas marinhas e costeiras até 2020, definido no âmbito da CBD
Para além disso, a  BirdLife afirma que será crucial no processo de descrição das Áreas marinhas Ecologica ou Biologicamente Significativas (Ecologically or Biologically Significant Areas), tendo 150 IBAs marinhas sido já reconhecidas no processo, no âmbito da CBD, para as identificar.

Wedge-tailed shearwater ©BenLascelles
e-Atlas pode também servir como modelo para a realização de inventários de áreas importantes, para a conservação de outros grupos de animais pelágicos como as baleias, as tartarugas e os tubarões.
O Atlas online irá sendo actualizado à medida que forem identificados novos locais e houver novos dados relativamente aos sítios já "catalogados".
Haverá ainda ligação a conteúdos de outros recursos disponibilizados pela BirdLife como as fichas de caracterização das IBAs.
O lançamento do e-Atlas foi o resultado de seis anos esforço conjunto por parte de 40 parceiros da BirdLife e especialistas em conservação das aves marinhas, em colaboração com departamentos de conservação de vários governos e ainda, o secretariado de convenções como a CBD e a Directiva Aves.


Foto: T Martin

The first global inventory of important sites for the conservation of migratory marine species represents a major contribution to marine conservation and will prove to be a vital resource for meeting the Convention on Biological Diversity (CBD) target of protecting 10% of marine and coastal areas by 2020.  It will also be crucial to the process of describing ecologically or biologically significant marine areas (EBSAs) and will have significant input into the siting of offshore energy infrastructure. Read more here

Green Gen
20.10.2012
Creative Commons License
Referências:
Naturlink | Lançado e-Atlas das áreas importantes para a conservação de aves marinhas
BirdLife | Marine conservation e-Atlas marks a breakthrough in sharing data to manage the world’s oceans
BirdLife

Saturday, September 29, 2012

Serras de Valongo, património a descobrir




Serras de Valongo | Portugal
Junto à cidade de Valongo e bem perto do Porto, entre cerros e vales alcantilados, erguem-se as “serra de Valongo”, lugar ermo de aldeias esquecidas, onde a natureza logrou contornar a acção destruidora do Homem, ocultando nas covas mais profundas ou nas cristas mais desérticas, animais magníficos e plantas raras e únicas.

As “serras de Valongo” são constituídas por uma série de elevações formadas essencialmente por cristas de rochas quartzíticas que correspondem a uma dobra anticlinal, tombada para ocidente – Santa Justa (367 m), Pias (385 m) e Castiçal (324 m) – dão corpo a um maciço montanhoso de grande valor natural e paisagístico. 

(...)
O valor ecológico deste espaço montanhoso encontra-se salvaguardado pela sua inserção na rede europeia do Projecto Biótopos CORINE, pela criação, nas serras de Santa Justa e Pias, do Parque Paleozóico de Valongo (PPV).
O PPV é a face mais visível da implementação de dois Projecto LIFE, envolvendo a Câmara Municipal de Valongo, como entidade promotora, e a Faculdade de Ciências do Porto, através dos seus departamentos de Geologia, Zoologia, e Botânica, e o FAPAS como entidades colaboradoras.



Plantas carnívoras | Serras de Valongo
Das várias espécies de plantas carnívoras que vegetam na área deste maciço montanhoso, a maioria é característica das zonas húmidas ou pantanosas, como acontece com as orvalhinhas (Drosera rotundifolia e Drosera intermédia) e a pinguícola-lusitânica (Pinguicula lusitanica), espécie que costuma surgir associada às orvalhinhas, uma vez que possui as mesmas exigências ecológicas. 
Porém, nas charnecas secas e xistosas sobranceiras ao vale de Couce, é possível encontrar ainda uma outra espécie de planta-carnívora, esta bem mais rara e altamente ameaçada: o pinheiro-baboso (Drosophyllum lusitanicum).

Trata-se de um endemismo ibero-marroquino de distribuição altamente localizada em Portugal. Possui folhas verdes alongadas cobertas por pêlos glandulosos vermelhos, recobertos por mucilagem. 



 Trilobites | Serras de Valongo
Ao percorrer as serras de Valongo é possível fazer uma “viagem no tempo”, observando cerca de 300 milhões de anos da história geológica do nosso planeta, uma vez que a sucessão estratigráfica permite aos visitantes pisar terrenos formados desde o Précâmbrico/Câmbrico (com aproximadamente 570 milhões de anos) até ao Carbonífero (com cerca de 280 milhões de anos). 
Nesta viagem ao passado da história geológica da região, merecem especial atenção as jazidas fossilíferas, que serviram de mote à criação do Parque Paleozóico de Valongo. 
A ler o artigo completo aqui
A natural heritage Valongo mountains, near Porto, Portugal. The ecological value of this mountains area is safeguarded by its insertion into the European CORINE.

Geração 'green'
29.09.2012
Creative Commons License

Referências:
Serras de Valongo - um património natural a descobrir e a conservar