Monday, November 21, 2011

Vamos todos! Plantar Portugal!






No Ano Internacional das Florestas (AIF 2011), Plantar Portugal convida todos os cidadãos, autarquias, escolas, freguesias, escuteiros, associações, bombeiros a unir-se na preservação das florestas portuguesas.

Eis o cartaz da 2ª edição da "Semana da Reflorestação Nacional" que decorrerá a partir de amanhã, dia 21 Novembro até 27 Novembro.


Plantar Portugal é uma organização nacional não governamental que tenta preservar as florestas portuguesas e fomentar o respeito pela Biodiversidade e pelas espécies autóctones.

Durante uma semana, milhares de portugueses vão ao encontro da floresta com o objectivo de a vivenciar, proteger e plantar.

Este o vídeo de apresentação da edição de 2010









Poderão aderir ao movimento ambientalista pelas redes sociais seguindo este tutorial.

Plantar Portugal está no  Facebook se quiser ser amigo e seguir as constantes actualizações.

Não esqueça! É já a partir de amanhã! Plantar Portugal! 


Promova uma acção na sua escola, entre amigos ou com familiares. Mas participe!









In the International Year of Forests, "Plantar Portugal" is a non profit organization that preserves the values of Biodeversity and native species. 

From November 21 to November 27, 2011 it will be the "National Reforestation Week". Plantar Portugal invites schools, and all citizens to go in the forests and plant some trees.

You can follow on Facebook


Geração 'green'

20.11.2011

Creative Commons License



Sunday, November 13, 2011

Clima: Será que o mundo quer mudar?




Foto: Pawel Kopczynski| Reuters


O mundo tem apenas cinco anos para evitar alterações climáticas perigosas e irreversíveis segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), que pede mudanças urgentes na forma como se usa a energia.

“Estou muito preocupado” - disse o principal economista da AIE, o turco Fatih Birol, ao jornal The Guardian





No passado dia 9 Novembro, a agência divulgou em Londres o seu World Energy Outlook 2011 com a evolução do sistema energético para os próximos 25 anos.

"O limiar que a comunidade internacional não quer passar é um aumento de 2ºC nas temperaturas médias do planeta; para lá disso, os serviços dos ecossistemas – por exemplo, água e ar limpos, defesa contra inundações e solos de qualidade - não estão garantidos."

O cenário actual não é favorável. A população mundial está a aumentar tendo este ano atingido os sete mil milhões de habitantes. 

"A agência estima que o aumento do consumo energético aumentará um terço entre 2010 e 2035, com a China a consolidar a sua posição enquanto país que mais consome energia: em 2035 deverá consumir 70% mais do que os Estados Unidos. Além disso, a frota de veículos de passageiros deverá duplicar e chegar aos 1,7 mil milhões em 2035."

A AIE prevê também que se continuem a construir edifícios ineficientes e mais centrais de produção de electricidade a carvão e gás natural – depois do abandono da energia nuclear em vários países, especialmente por causa da crise na central nuclear japonesa de Fukushima, em Março. 

“Se os países se afastarem da energia nuclear, o resultado poderá ser um aumento nas emissões equivalente ao que é emitido actualmente pela Alemanha e pela França em conjunto”.

Birol, The Guardian



Foto: Pawel Kopczynski| Reuters
Central a carvão Jaenschwalde (Alemanha)


Num dos cenários previstos pela AIE, a concentração de emissões de dióxido de carbono (CO2) nos próximos 25 anos vai provocar um aumento das temperaturas médias de 3,5ºC. 

Num cenário que não prevê novas medidas governamentais, o aumento da temperatura pode chegar aos 6ºC.

Este quadro “demonstra a urgência e a escala do problema”, disse a directora-executiva da AIE, Maria van der Hoeven.

“Os Governos precisam introduzir medidas mais fortes para orientar os investimentos para tecnologias de baixo carbono”, disse. “Não podemos continuar a depender de usos de energia inseguros e ambientalmente insustentáveis.” 

directora-executiva AIE




Este relatório surge a semanas da conferência da ONU sobre alterações climáticas, a realizar em Durban, na África do Sul, de 28 Novembro a 9 Dezembro 2011.

Os Governos preparam-se, no entanto, para adiar a conclusão das negociações. 

O objectivo inicial seria encontrar um sucessor do Protocolo de Quioto, que expira em 2012. Mas depois de anos de impasse negocial, vários países – incluindo o Reino Unido, Japão e Rússia – propõem a chegada a acordo em 2018 ou 2020. 

"Tarde demais"

Birol 


The 2011 edition of the World Energy Outlook was released on 9 November and brings together the latest data, policy developments, and the experience of another year to provide robust analysis and insight into global energy markets, today and for the next 25 years. Read more here


Geração 'green'

13.11.2011

Creative Commons License

Referências:

Ecosfera|Público
http://ecosfera.publico.pt/noticia.aspx?id=1520143

COP17|CMP7
http://www.cop17-cmp7durban.com/


Tuesday, November 08, 2011

Amazónia: menor desflorestação?




Foto: Amazónia


Segundo a notícia, em Agosto 2011, a Amazónia perdeu uma área de 164 quilómetros quadrados, valor inferior aos 265 quilómetros quadrados observados em Agosto de 2010  e também abaixo dos 225 quilómetros quadrados contabilizados em Julho deste  ano (2011). 

"O Governo brasileiro anunciou no passado dia 3 Outubro 2011 que a Floresta Amazónica registou em Agosto passado o seu menor índice de desflorestação desde 2004, início da série histórica produzida pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)."



Foto: Amazónia | Phil P Harris.

"Em declarações à imprensa brasileira, a ministra do Meio Ambiente, Izabella  Teixeira, considerou que o resultado pode ser visto como fruto das últimas  acções governamentais que aumentaram a fiscalização na região desde Abril  deste ano." 
A ministra, mostrou-se "esperançosa", prevendo que a diminuição seja uma tendência para os próximos meses. 
Segundo a mesma fonte, em 2010, a taxa anual de desmate ficou em 7.000 quilómetros quadrados. 

Seria bom! A Amazónia é um dos pulmões mundiais mais belos!


The Brazilian government announced on Otober 3, 2011 that the Amazon Forest registered in last August its lowest rate of deforestation since 2004, the beginning of the series produced by the National Institute for Space Research (INPE).



Geração 'green'

08.11.2011

Créditos: fotos SIC Notícias
Referências: 

Amazónia regista em Agosto menor índice de desflorestação


Creative Commons License